ANIMADOR DE CAMINHADAS

         
   
Alguém já disse que Abraão antes de devorar estradas e percorrer grandes distâncias, teve que sair antes de mais nada de si mesmo. Esse é o maior desafio para todos aqueles que são chamados por Deus para animar caminhadas. Mas o que é sair de si mesmo?

Sair de si mesmo nada mais é do que romper com todas as limitações egocêntricas que pervadem o "ísmo" de nossa individualidade,  é um refazer-se interiormente que desparadigmatiza os modelos de nossa vida passada, sair de si mesmo é um ato de ruptura com qualquer ideia ou ethos que se oponha ao "modus vivendi" desejado por Deus.
Em suma, sair de si mesmo é absorver o desconhecido é abandonar-se pura e exclusivamente nos braços de alguém que não se materializa, nem mostra o seu rosto, porém incentiva-nos com sua voz meliflua e amorosa sempre persistente, a ir em direção a vida e a eternidade.
Não é por acaso que os mestres do judaísmo vão afirmar catedráticamente que Abraão, é o maior exemplo de generosidade e hospitalidade do mundo antigo,[Antigo testamento], tudo por que um dia rompeu não só com a crosta geográfica que o limitava mas também com  a crosta egocêntrica que enclausura e limita a todos os homens
Portanto sair de si mesmo é desvincilhar-se daquilo que acredito ser, só meu, "partilhar" por exemplo é uma ruptura egocêntrica.

O [Pirke Avot] destaca quatro tipo de seres humanos de acordo com a conduta:

O 1º Tipo é aquele que diz “ o que é meu é meu e o que é teu é teu –esse é o homem comum.
O 2º Tipo é aquele que diz “o meu é teu e o teu é meu”esse é o ignorante.
O 3º Tipo é aquele que diz o meu é meu e o teu é meu esse é o malvado ( 5:10)
O 4º Tipo é aquele que diz “ o meu é teu e o teu é teu¨esse é o piedoso.

Isto é Abraão, aquele que Saiu de si mesmo, quando obedeceu e você vai romper limites, ou vai ficar ai estagnado,com as mãos algemadas e com os pés amarrados, enclausurado em seu mundinho egoísta, pense nisso e "Saia de si mesmo".

Paulo Mazarem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO DOS TEMPOS BÍBLICOS

RESENHA DO FILME TERRA VERMELHA

RELIGIOSIDADE NA ERA PALEOLÍTICA/NEOLÍTICA