A BENÇÃO DE SER IGNORANTE

É uma blasfêmia ser inteligente onde a ignorância é sacralizada. Paulo Mazarem

Afinal de contas qual é a benção que existe na agnose
Diferentemente do que muitos dizem nem todo conhecimento é bom. É preciso dizer que o (des)conhecimento preserva a alma humana em estado de inocência ante certos eventos que delineiam a tênue trajetória da vida, seja(m) da(s) pessoas que conhecemos ou até mesmo da história humana. O que falo, é destituído de sentido valorativo, não se trata de regra, muito menos de prescrição, o que quero é sinalizar que o bem que alguém pode se permitir é o de não atravessar a fronteira de acesso ao fruto do conhecimento do bem e do mal. 

O que importa, mesmo é não fazer apologia a ignorância, nem culto ao jumento! Porém onisciência é atributo divino que nos tornaria (des)humanos, (des)almados e insensíveis dada a banalização que o conhecimento promove ao relativizar espaços, culturas e pessoas e transpor contextos. 

Com isto devo dizer que conhecimento é como o remédio e o veneno, o que separa uma coisa da outra é apenas à dose.  

O hagiágrafo registra: 


"E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que também isto era aflição de espírito. Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor". Eclesiastes 1:17,18


Idiocracia - a apoteose de uma sociedade medíocre [...]            tem o seu valor pelo menos no que tange a sobrevivência e amor próprio pela vida. Todos sabem que a sabedoria é essencial para se ter uma vida digna, no entanto O preço para adquiri-lá é alto. Isto porque para recebe-lá é preciso estar aberto para a diversidade ecológica de saberes que compõem a grande teia da vida. 

A ALEGORIA DA CAVERNA

O filósofo ateniense (Platão) tem muito a nos dizer com a alegoria da caverna. Diga-se de passagem que a porta de entrada da caverna (é uma espécie de interface que) separa duas percepções de realidade, completamente alteritárias.

Como esquecer Matrix que nos apresenta a pílula vermelha (convite a iluminação e contemplação) como possibilidade inédita de organização espacial e ontológica? 

E o que o livro de Gênesis pode nos dizer à respeito do fruto do conhecimento? 
  





Com as problematizações acima elaboradas, a pergunta que pervade nosso senso filosófico é como distinguir entre a realidade (verdade) e a aparência (ilusão)?





Como vimos (vídeo acima) na alegoria da caverna os prisioneiros são todos aqueles que desconhecem a realidade (mundo real) por não conseguirem romper com as fronteiras do conhecimento sensível (visão, tato, olfato, paladar e audição), logo, estes são aqueles indivíduos que acabaram por ser teleguiados pelas sombras ou qualquer outra relação de dominação seja ela midiática, religiosa ou política, ou ainda ¹tradicional, carismática ou legal.

É claro que sabemos que os prisioneiros (um dia) conseguem/iram escapar das correntes e da caverna e ao contemplar a realidade exterior, não as sombras (aparência) ele logo fica embasbacado e então retornou para contar (aos familiares, amigos) que tudo aquilo que eles haviam dito e ensinado (desde o nascimento) não passava de um mera ilusão. Ele dizia isso entusiasmado, porém os prisioneiros meneavam o olhar e começarão a deblaterar uns com os outros até que alguém vociferou: "Você está louco, isso é um absurdo, não existe nada além daqui, você é um parlapatão, saia daqui". 

Porém ele não saiu, queria libertar os seus amigos e familiares a todo custo, mostrando-lhes que havia além da caverna uma realidade que eles desconheciam, até que um dia ele foi morto por aqueles mesmos prisioneiros que ele tentará ajudar. E aí eu repito minha particular máxima de que é insensato ser sábio onde a sabedoria é maldita.

Deixe-lhes dizer que o fim dos sábios é a morte, repito "morte". 
Nem Sócrates com toda humildade epistemológica do Só Sei que nada Sei, escapou, aliás Jesus também foi condenado à morte por tentar emancipar os prisioneiros (escravos) do pecado e da ignorância. 

Mas, afinal por que matar os sábios se tudo o que else querem é emancipar o homem. Simples. 
Ele é o estraga festa,  alguém que escapou da caverna e que descobriu  que existem outros ares, outras paisagens além daquele inculcado pela monocultura das mentes prisioneiras do poder.  

Na verdade os sábios são desveladores do poder que aprisionam e que acorrentam os homens. 
Por esse motivo meu conselho para você amigo leitor é esse, fique na caverna se tens amor pela própria vida, fuja do conhecimento, da escola e acredite em tudo o que a mídia televisa e radiofônica (caverna) lhe ensina (ou).


REFERÊNCIAS:


Bíblia Online. Disponível em < https://www.bibliaonline.com.br/acf/ec/1/17,18> Acesso em: 28 Mar. 16.

Idiocrasia- a apoteose de uma sociedade medíocre. Disponível em:                                                                         Acesso em: 28 Mar. 16.


Tipos de dominação em Weber . Disponível em < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8433-11072011-link-maxweber&category_slug=julho-2011-pdf&Itemid=30192 > Acesso em 28 Mar. 16

O Mito da Caverna de Platão- Filosofia < https://www.youtube.com/watch?v=7-BBKQ1sszI > Acesso em 28 Mar. 16


Paulo Mazarem 
Florianópolis
27 Mar. 16




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO DOS TEMPOS BÍBLICOS

RESENHA DO FILME TERRA VERMELHA

RELIGIOSIDADE NA ERA PALEOLÍTICA/NEOLÍTICA