EU RELIGIOSO?

Não se escandalize, mas o evangelho de Jesus é a superação da teologia pragmática dos religiosos. Pensando essa questão dialeticamente, lembrei-me de Hegel (Tese, Antítese e Síntese). Deste modo o evangelho é a tese, a religião é a antítese e Jesus a síntese perfeita da vontade de Deus. 
Mas qual é a conexão entre o evangelho e a Religião? 
E mais, qual é o critério para seguir o evangelho, será o mesmo ensinado pela religião? Devemos nos enclausurar em nós mesmos, fugir do mundo, abandoná-lo para agradar a Deus?

Pois bem seguir a Jesus, diga-se de passagem não exige a retirada do mundo. Pelo contrário exige a inserção no mundo. É interessante por que Jesus nunca se retirou do mundo (ele permanece através do consolador conosco até a consumação dos séculos), mas se misturou com os homens que nele estavam.
É interessante destacar que para muitos religiosos o ascetismo ainda funciona como "regra de ouro" para se alcançar ou obter o favor divino. Eles pregam que você a semelhança dos "anacoretas" deve se retirar do mundo.
No entanto, esquecem eles que o problema do mundo não é o mundo, mas os homens que no mundo estão. Digamos que o mesmo se aplica para a religião cristã, onde o problema nunca é/será a obra de Deus em si, mas os obreiros que a realizam. É muito simples. No entanto, insistimos em animar o que não possui "anima" (alma), valorar o que não está em cogitação. 
E os religiosos, como eles percebem essa questão ou ainda como nos dias de Jesus eles o interpretaram?

Ora, se prestarmos atenção no próprio Jesus vamos perceber que ele era/é muito mundano para a mentalidade religiosa (religiosos) de todos os tempos. Pois, realizou milagres em dias proibidos (sábado) pelo calendário religioso, conversou sozinho com uma mulher (considerado ilícito) de reputação duvidosa, participou de banquetes com gente mau-caráter (pecadores), tocou em defuntos (sacrilégio), etc...
Não obstante e consequentemente ele é antítese de tudo o que os religiosos ensinavam e ensinam em nossos dias.
Se os religiosos ensinam que coar mosquito deve ser importante, mais importante ainda é não engolir camelos para que o ato pormenorizado não seja invalidado. Os religiosos são especialistas em detalhes, enfatizam as necessidades de não se tocar nisto, não mexer naquilo, não ouvir música X, Y e Z, a não ler aquele livro ou este livro, etc...
Ao passo que Jesus ensinou que todas as performances sensoriais são maquiagens que ocultam o estado de putrefação em que a alma se encontra abrigando no interior verdadeiras catingas que deixam Deus nauseado. O exemplo utilizado por Jesus não deixa dúvidas: "Vocês são sepulcros caiados, belos por fora, mas podres por dentro". (Mat. 23.27)
Por conseguinte é por estas e outras razões que Jesus é indigerível e intragável para os religiosos. Como suportar o peso dessas afirmações quando o que se valoriza são aparências, dimensões exteriores, brilho e o verniz das construções e dos templos magníficos? 
Vede não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada se no interior do templo não se encontrar a riqueza da perfeita adoração e louvor a Deus. (Mat 24. 2) 
Parece que Jesus está destacando o seguinte: "Nenhuma estrutura suportará as hostilidades do mundo tenebroso se os fundamentos que sustentam um edifício estiverem baseados na hipocrisia e na perversidade".


De modo, que ainda que o sistema funcione perfeitamente bem de acordo com o próprio Jesus ele sucumbirá. Na verdade tem prazo de validade e data de vencimento a (im)piedade. 
 Mas, se você duvida consulte a história (Flávio Josefo) e veja com os seus próprios olhos o que aconteceu com o templo no ano 70 d.C quando Tito invadiu Jerusalém.


Enfim, se você é seguidor de Jesus você precisa reinventar a sua espiritualidade constantemente e ininterruptamente a luz do evangelho (não dos evangélicos) para que sua alma permaneça integra e fiel a verdade de Deus. O que passar do evangelho de Jesus na sua vida é script prêt-a-portêr para adesão religiosa, é esboço conspiratório e inverdadeiro, é sermão antiCristo e antiDeus, em suma é coisa de religiosos. 

São José
15 Fev. 17

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO DOS TEMPOS BÍBLICOS

RESENHA DO FILME TERRA VERMELHA

RELIGIOSIDADE NA ERA PALEOLÍTICA/NEOLÍTICA