AS PROBLEMÁTICAS DO MITO




Como cientistas da religião temos de conviver com a polissemia conceitual que é própria de nossa disciplina que oferece como características a multiplicidade e a diversidade dos saberes e fazeres. Deste modo ao analisar o mito encontramos múltiplas concepções e sentidos que fazem (ou melhor tornam) (d)o mito muito mais do que uma narrativa traditiva de um povo, na verdade o mito pode ser o nada que é tudo e o tudo que é nada. Eles surgem para explicar as origens (mito etiológico) dos deuses (mito teogônico), do universo (mito cosmogônico), da humanidade (mito antropogônico), da redenção da espécie humana (mito soteriológico) e do fim último (mito escatológico). Portanto não há consensualidade entre os pesquisadores de um sentído unívoco do mito.
Para o mitólogo Mircea Eliade:

Viver os mitos implica, pois, uma experiência verdadeiramente religiosa, pois ela se distingue da experiência ordinária da vida quotidiana. A religiosidade dessa experiência deve-se ao fato de que, ao reatualizar os eventos fabulosos, exaltantes, significativos, assiste-se novamente às obras criadoras dos Entes Sobrenaturais; deixa-se de existir no mundo de todos os dias e penetra-se num mundo transfigurado, auroral, impregnado da presença dos Entes Sobrenaturais. Não se trata de uma comemoração dos eventos míticos, mas de sua reiteração. O indivíduo evoca a presença dos personagens dos mitos e torna-se contemporâneo deles. Isso implica igualmente que ele deixa de viver no tempo cronológico, passando a viver no Tempo primordial, no Tempo em que o evento teve lugar pela primeira vez. É por isso que se pode falar no "tempo forte" do mito: é o Tempo prodigioso, "sagrado", em que algo de novo, de forte e de significativo se manifestou plenamente. Reviver esse tempo, reintegrá-lo o mais freqüentemente possível, assistir novamente ao espetáculo das obras divinas, reencontrar os Entes Sobrenaturais e reapreender sua lição criadora é o desejo que se pode ler como em filigrana em todas as reiterações rituais dos mitos. (ELIADE, 2013, p. 22)


Percebe-se claramente em Mircea Eliade que o mito está atrelado a uma espécie de experiência religiosa que se perpetua, por meio de uma ritualística, onde o rito atualiza o mito na religião. Assim sendo, ele serve para reviver uma realidade primeva. Deste modo observa-se que realidade e mito estão conectadas, não sendo o mito por meio dessa perspectiva uma fábula ou um lenda como algumas escolas do pensamento racionalista quiseram sublinhar. Para Jean-Pierre Vermant (2006, p. 26):



Nesse sentido, o mito, sem se confundir com o ritual nem se subordinar a ele, tampouco se lhe opõe tanto quanto já se disse, Em sua forma verbal, o mito é mais explícito que o rito, mais didático, mais apto e inclinado a "teorizar". Dessa forma, traz em si o germe daquele" saber" cuja herança a filosofia recolherá para fazer dele seu objeto próprio, transpondo-o para outro registro de língua e de pensamento: ela formulará seus enunciados utilizando vocabulário e conceitos desvinculados de qualquer referência aos deuses da religião comum, o culto é menos desinteressado, mais envolvido com considerações de ordem utilitária. Mas nem por isso é menos simbólico. Uma cerimônia ritual desenrola -se segundo um roteiro cujos episódios -são tão estritamente ordenados, tão cheios de significação quanto as seqüências de uma narrativa. (VERNANT, 2006, p. 26)


De acordo com Barthes:


Já que o mito é uma fala, tudo pode constituir um mito, desde que seja suscetível de ser julgado por um discurso. Será necessário, mais tarde, impor a esta forma limites históricos, condições de funcionamento, reinvestir nele a sociedade: isso não impede que seja necessário descrevê-la de início como uma forma (BARTHES, 1987, p. 131).



Se o rito atualiza o mito e o mito se dá pela oralidade, isto é pela “fala”, cujo discurso sustenta explicações de realidades, associar o mito com a ciência não seria incoerente, Levi-Strauss (1978, p. 37) diz que o pensamento mitológico desempenha o papel de pensamento conceitual, utilizando imagens tiradas de experiências. Logo, a seu ver, não haveria separação total entre ciência e mito.                                             
Uma vez que os caminhos para se explicar certas realidades são distintas e cujo fim tornan-se verossimilhantes. Do Big-Bang ao mito criacionista judaico-cristão, por exemplo, temos o discurso como leitmotiv que sustenta ambas as crenças. Logo, essas aproximações não escapariam do olhar epistemológico de um epistemólogo francês chamado Edgar Morin, como se Lê:


Acreditou-se no século XIX e no começo do século XX que a promoção das ideias laicas correspendia à evolução necessária e progressiva do mito à razão, da religião à ciência; o desaperecimento gradual dos mitos bioantropomorfos e o estreitamento da área religiosa deviam completar-se, o que corresponderia ao triunfo das verdades positivas, racionais e científicas. Ora, essa concecepção, que Augusto Comte formulou como lei evolutiva, era um mito e, de resto, Comte teve a loucura genial de coroar a era positiva com uma nova religião, concreta e universal, na qual a adorada Clotilde de Vaux encarnava a Humanidade-Mátria. (MORIN, 2011, p. 173)



Do mito a ciência, da priori a posteriori a pergunta sempre ganha folêgo e retumbância, haveria o homem hodierno superado o mito com o desencantamento do mundo (Weber) ou o mundo se re-encanta com os ritos-mitos, re-significando-os em outras modalidades e explicações de realidade que transcendem aqueles que até o dado momento foram elaboradas com outras lógicas e racionalidades?                                                                                    
Essa é uma resposta difícil de se dar, como problematizado inicialmente e creio que a discussão é ad infinitum. Freud perguntava-se, mais ou menos na época (1933), se a própria teoria científica não era mitológica. (apud, Morin, 2011, p. 174). Nota-se que essas são algumas das contradições que comportam o tema proposto.

Enfim, seria difícil encontrar uma definição do mito que fosse aceita por todos os eruditos e, ao mesmo tempo, acessível aos não-especialistas. (Eliade, 2013, p. 11).
                               


REFERÊNCIAS:


BARTHES, R. Mitologias. [tradução R. Buongermino e P. de Souza]. 7.ed. São Paulo: Bertrand Brasil-Difel, 1987.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. [tradução Pola Civelli]. – São Paulo: Perspectiva, 2013.

LEVI-STRAUSS, C. Mito e significado. [trad. A. M. Bessa]. Lisboa: Edições 70, 1978.

MORIN, Edgar. O método 4: as ideias: habitat, vida, costumes. Organização Juremir da Silva. 5. Ed. – Porto Alegre: Sulina, 2011.

VERMANT, Jean-Plerre, Mito e Religião na Grécia antiga; tradução: Joana Angélica D' Avila Melo. - São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO DOS TEMPOS BÍBLICOS

RESENHA DO FILME TERRA VERMELHA

RELIGIOSIDADE NA ERA PALEOLÍTICA/NEOLÍTICA