A MULHER E A TERRA, AS DUAS FACES DA VIDA


A revolução da agricultura foi de início um assunto feminino o homem estava ocupado prioritariamente em caçar ou pastar seus rebanhos. São as mulheres que semeiam, se possível, mulheres grávidas, pois considera-se que seu poder provoca fertilidade do solo, rapidamente a mulher é associada à terra, e o homem, ao lavrador que a fecunda. Através de todas as culturas religiosas, a terra mãe se tornará a “mão dos grãos”, uma deusa agrícola sob a aparência da deusa grega Deméter. A mulher que dá a vida introduz também o recém-nascido na mortalidade.
É da terra que nasce a vida, é a terra que retornarão os defuntos.

Então, as deusas agrícolas assumem duas faces, a da fertilidade e a da morte.

Surgem as divindades ctônicas, deusas que reinam ao mesmo tempo sobre a terra e sobre o mundo subterrâneo conforme as estações. Perséfone, filha de Deméter e rainha do mundo subterrâneo, será esposa de Hades, deus dos Infernos, durante seis meses. Nos outros seis, ela viverá sobre a terra, com sua mãe. Esse mito ilustra perfeitamente os mistérios da agricultura.

No mundo pré-helênico, uma estatueta de trigo feminina é enterrada no inverno e exumada na primavera. O nome de Dagan, o deus agrário do Oriente Próximo no terceiro milênio antes de nossa era, se traduz por “trigo”, ao passo que o deus Baal será chamado “o esposo dos campos”. Mais tarde, o cristianismo glorificará a virgem Maria como terra não lavrada que não obstante dá frutos.  O corão assimilará a mulher a “vossos campos que é necessário lavrar”.

Fonte Bibliográfica:

Banom, Patrick, Para conhecer melhor as religiões; SP, Claro Enigma, 2010.

Titulo original: Pour mieux compreende les religions

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO DOS TEMPOS BÍBLICOS

RESENHA DO FILME TERRA VERMELHA

RELIGIOSIDADE NA ERA PALEOLÍTICA/NEOLÍTICA